XXII SIPAT


Funcionários da FOA/UniFOA participam da Semana Interna de Prevenção de Acidentes

Publicado em 30/11/2017

A XXII SIPAT começou nessa terça-feira, 27, e reuniu dezenas de funcionários da FOA para um diálogo acerca de sustentabilidade e meio ambiente, através da palestra ‘Sustentabilidade? Pra quê?’, ministrada pela coordenadora do curso de Engenharia Ambiental e da Sala Verde, Ana Carolina Callegario. A abertura foi feita pelo superintendente geral da FOA, José Ivo de Souza, que frisou a importância de discutir a prevenção de acidentes e o papel fundamental que cada funcionário precisa exercer para melhorar a qualidade de vida individual e coletiva.

“O objetivo da SIPAT é fazer uma análise e reflexão sobre nosso comportamento atual e o que podemos melhorar individualmente, influenciando o comportamento do outro”, afirmou José Ivo. Um dado apresentado pelo superintendente, o qual demonstra a eficácia e evolução do evento no decorrer dos anos, foi a queda do número de funcionários infectados por dengue, por exemplo. “A prevenção de acidentes é uma das melhores formas de demonstrar amor ao próximo, já que é um zelo pela saúde e integridade física da pessoa”, completou.

O bate-papo proposto por Ana Carolina Callegario, coordenadora do curso de Engenharia Ambiental, teve como objetivo ampliar a visão dos participantes sobe o significado de sustentabilidade e meio ambiente. “Tudo o que fazemos em excesso pode causar problema. Para os funcionários é importante mostrar que essa temática não é só uma filosofia de vida. O rio que é poluído, naturalmente impacta cada ser humano, não só quem jogou lixo ali”, disse Callegario. A proposta foi ‘associar o conhecimento específico da engenharia ambiental, que os alunos têm acesso, à vivência do cotidiano de cada pessoa’.  

Sandro Aliani, presidente da Comissão Interna de Prevenção de Acidentes da FOA/UniFOA, compartilhou um pouco sobre a proposta do evento. “É importante não só cumprir as legislações, mas principalmente termos consciência de que esse diálogo ajuda o funcionário a entender qual é o seu papel dentro da instituição”, alertou ainda que o funcionário precisa ser orientado também sobre seus deveres e direitos, para garantir sempre uma melhor condição de vida.

Homenagem

Huelinton Teodoro, funcionário da FOA há 29 anos, recebeu uma homenagem por utilizar sempre de forma adequada os EPI (Equipamentos de Proteção Individual) e EPC (Equipamentos de Proteção Coletiva). De acordo com os participantes da CIPA (Comissão Interna de Prevenção de Acidentes), Huelinton desde o início sempre utilizou todos os equipamentos, servindo de exemplo e inspiração para os demais funcionários.

“Não imaginava que seria reconhecido por isso. Sempre participei da SIPAT e foi a primeira vez que recebi um reconhecimento, fiquei muito contente. Desde quando comecei a trabalhar aqui na FOA, fui ensinado sobre a importância de usar os equipamentos e, por isso, sempre fiz dessa forma”, concluiu Teodoro.

Palestras

Dia 28, no campus Aterrado, o tema da palestra foi ‘O compromisso com a segurança e a qualidade de vida’, ministrada pelo professor Edson dos Santos Ribeiro. O palestrante compartilhou algumas situações em que o funcionário precisa estar mais atento e sobre o papel de cada um para fazer do local de trabalho um ambiente cada vez melhor para a convivência de todos.

No campus Leonardo Mollica, a palestra foi com o químico Charles Moreira que explicou a respeito dos perigos em manusear produtos de limpeza sem utilização dos EPI, o tema do encontro foi ‘Utilização e descarte correto dos produtos de limpeza nos laboratórios’.

No último dia, 30, no campus João Pessoa Fagundes, o professor do curso de Enfermagem e enfermeiro do Corpo de Bombeiros, Ary Silva, ensinou os participantes a prestarem atendimentos em situações de risco de vida. Ele ministrou uma aula prática sobre como realizar a Manobra de Heimlich e Ressuscitação Cardiopulmonar. "No nosso dia a dia somos colocados diante de situações que acarretam perigo às pessoas. E existem soluções básicas que podem ser feitas por qualquer um que possibilitem a sobrevivência de alguma vítima. Se o básico não for bem feito, o procedimento avançado se faz desnecessário", frisou Ary.


Veja Também: