Inovação é o foco


Alunos do Sistemas de Informação produzem TCCs baseados em metodologias ativas

Publicado em 7/5/2019

Estimulados a produzir Trabalhos de Conclusão de Curso utilizando metodologia ativas, os alunos do quarto ano do curso de Sistemas Informação estão inovando nos seus TCC’s criando softwares ou hardwares para demandas observadas no mercado. Os projetos dos sete grupos da turma, com os mais variados temas, estão sendo orientados na disciplina de TCC pelo professor responsável, Venício Siqueira.

Nessa segunda-feira, 6, no Laboratório de Inovação Acadêmica, no campus Olezio Galotti, eles apresentaram os resultados que já obtiveram nos meses iniciais de produção. “O TCC do curso Sistemas de Informação tem sido realizado com base nas metodologias ativas desde os primórdios do curso muito antes delas se tornarem uma tendência em educação; o curso sempre incentivou o aluno a buscar o desenvolvimento dentro do seu conhecimento”, comentou Venício.

Os projetos trabalham as disciplinas do curso de maneira integrada. “Existem vários conhecimentos, portanto existem outros professores que orientam os grupos, enquanto eu coordeno o trabalho conclusão de curso e oriento os acadêmicos nas questões analíticas e metodológicas”, explicou o professor.

Aplicativo e site que integram surdos e médicos

A equipe de Valdilene Martins e Paulo Roberto Pereira, composta por mais cinco alunos, está desenvolvendo um aplicativo e um site que visa auxiliar a comunicação entre pessoas surdas e médicos, facilitando o atendimento em situações de emergências. “O site apresenta um corpo humano para permitir ao surdo mostrar ao médico os locais de desconforto de maneira autônoma, sem que seja necessário a presença de um intérprete”, explicou a aluna.

O aplicativo vai permitir aos usuários o cadastro de dados como tipo sanguíneo, alergias, cadernetas de vacinação, residência. “Queremos facilitar o diálogo com os profissionais, uma vez que não são todos que conhecem libras. Além disso, existem muitas palavras que não existem em libras, como sinusite, por exemplo. A ideia do projeto surgiu após um dos alunos do grupo, Thiago Duarte, precisar ir à casa da intérprete busca-la para uma consulta em um hospital”, acrescentou Paulo Roberto.

Startup para controle de linha de ônibus

Pensando na mobilidade e otimização do tempo das pessoas que utilizam o transporte público, o grupo do Douglas Gonzaga, composto por três alunos, está trabalhando em uma Startup de controle temporal de linha de ônibus para mapear o tempo de espera do passageiro no ponto de ônibus. “A ideia é um aplicativo mobile para que as pessoas possam saber a localização do ônibus e horário previsto para passar naquele ponto e, assim, poder fazer outras atividades enquanto o veículo não vem, ao invés de ficar parada esperando”, pontuou o acadêmico.

A funcionalidade também permite monitoramento da frota pela empresa. “Muitos de nós, universitários, dependemos de ônibus e às vezes perdemos tempo parados nos pontos enquanto poderíamos estar realizando outras tarefas pessoais ou relacionadas à faculdade”, lembrou Douglas.

Mão biônica

A proposta da dupla Victor Duque e Martha Rodrigues é uma prótese de mão biônica para pessoas que perderam o membro. “Sabemos como a mão é fundamental para a realização das tarefas do dia-a-dia, além disso, optamos por esse projeto porque queríamos explorar novas tecnologias e buscamos uma maneira de inovar”, comentou Victor.

A estrutura do protótipo será feita em plástico Pet G, um polímero que não causa reação alérgica na pele. “Contaremos com a impressora 3D do UniFOA para fazer as partes separadas da mão; após isso, utilizaremos a placa arduino para programar e comandar os motores que serão ligados a eletrodos ligados ao braço da pessoa que, ao movimentar o braço, serão enviados sinais elétricos para movimentar a mão”, detalhou o acadêmico.

As bancas de defesa de qualificação dos trabalhos ocorrerão em agosto, enquanto as bancas finais em outubro.

Confira alguns registros: 


Veja Também: