Homenagem à população feminina de Volta Redonda


Exposição ‘Flores de Aço’ é lançada

Publicado em 11/8/2017

O Espaço de Artes Zélia Arbex sediou, nessa quinta-feira, 10, o lançamento da exposição Flores de Aço, promovida pela Secretaria Municipal de Políticas Públicas de Volta Redonda. A ação tem como objetivo conhecer a história de 14 mil mulheres da cidade através de cartas, que foram depositadas nos CRAS e Postos de Saúde do município.

O UniFOA foi parceiro do projeto, através da coordenadora de Projetos Especiais do UniFOA, Rita Carvalho, e do curso de Design, que elaborou o pingente que as mulheres receberam ao entregaram suas cartas. Também estiveram presentes no evento o coordenador dos cursos de Jornalismo e Publicidade e Propaganda, Douglas Gonçalves; a professora dos cursos de Serviço Social, Direito e representando o Escritório da Cidadania, Daniele do Val, além de alunos de Serviço Social.

A ideia foi uma solução criativa encontrada para conhecer os anseios do público, segundo a secretária de políticas públicas, Dayse Penna. “As cartas que já estão sendo expostas foram tabuladas, documentadas e já fizemos um pré-diagnóstico das maiores demandas, que são respeito e valorização, empregabilidade, acesso à saúde e violência”, listou Dayse.

A professora Rita Carvalho enxerga a ação como uma forma de conhecer a história e necessidades das mulheres. “Através das cartas podemos saber se essas histórias possuem um cruzamento com a história da própria cidade. Assim, demandas e reais desse público serão reconhecidas e priorizadas, definindo qual o caminho que a secretaria precisa percorrer para buscar as soluções”, explicou a coordenadora de Projetos Especiais do UniFOA.

O pingente

Ao depositar suas cartas, as mulheres receberam um pingente que foi desenvolvido pela coordenadora do curso de Design, Patrícia Rocha, junto ao professor Laert dos Santos. “Pensamos a flor, que representa a feminilidade; o vermelho, para destacar o fogo da CSN; e a curva do Rio Paraíba do Sul, que caracteriza a nossa cidade”, lembrou a coordenadora.

Foi uma experiência nova para Laert, que utilizou o programa Fusion 360, da Autodesk. “Estou vivendo um momento novo, porque minha área de trabalho sempre foi a parte gráfica e essa foi a primeira vez que eu vi um projeto se tornar produto. Foi muito gratificante poder contribuir”, agradeceu o professor, emocionado.

Serviço Social presente

Segundo a professora Danielle do Val, o objetivo do curso de Serviço Social é, justamente, viabilizar o acesso aos direitos. “Muitas dessas narrativas expressam histórias de violência, de dor e superação; essas cartas vêm para nos mostrar que existem caminhos alternativos para que as mulheres tenham voz para lutar pelos seus direitos” frisou Danielle.

Já foram recolhidas cerca de 3 mil cartas. A exposição ficará aberta ao público até o dia 31 de agosto e quem desejar pode deixar o textos no espaço de segunda a sexta, de 9 às 19h.


Veja Também: